Notícias

O segundo e último dia da apresentação do Plano Básico Ambiental da Valec para os profissionais de campo e funcionários de empresas construtoras, supervisoras e apoiadoras tratou de diversos temas relativos ao meio ambiente.

Quem abriu as palestras foi a engenheira civil da OIKOS, Lúcia Regina, que explicou como funciona o Programa de Comunicação Social, através do qual as comunidades impactadas pela ferrovia recebem esclarecimentos acerca do empreendimento e orientações sobre a prevenção de queimadas.

Em seguida foi a vez da engenheira ambiental da Superintendência de Meio Ambiente (SUAMB), Ana Carla Alves falar sobre o Subprograma de Controle e Monitoramento de Resíduos e Efluentes. “Toda atividade humana gera resíduos. O que se discute aqui é que esses resíduos não sejam inadequadamente dispostos”, falou.

Ela abordou também, dentre outras questões, a importância do tratamento do esgoto produzido durante a construção da ferrovia.

O Controle e Monitoramente da Qualidade da Água foi tema de outro subprograma previsto pelo PBA. Como explicou Ana Carla, a ferrovia intercepta diversos corpos hídricos e é preciso cuidado para que não haja poluição.

Outras questões ambientais como o Controle e Monitoramento de Processos Erosivos, de Emissões Atmosféricas, de Ruídos e Vibrações também foram apresentadas, assim como o Programa de Controle Ambiental das Obras.

O biólogo da SUAMB, Daniel Diniz, discursou sobre a proteção da fauna, abordando questões como o salvamento de espécies em risco, a construção de passagens para os animais, a fim de evitar atropelamentos, e o monitoramento da fauna dos locais por onde passa a ferrovia.

Encerrando o evento, o geólogo da SUAMB, Marcello Anastácio apresentou o Plano Básico Ambiental Espeleológico, que trata especificamente das cavernas existentes no sertão da Bahia, cujo objetivo é reduzir ou mesmo eliminar os impactos sobre essas cavidades naturais.


Texto: Assessoria de comunicação