O Corredor Ferroviário de Santa Catarina

O Corredor Ferroviário de Santa Catarina

O Corredor Ferroviário de Santa Catarina ligará o município de Dionísio Cerqueira ao Porto de Itajaí e se conectará com a malha sul concedida à ALL- América Latina Logística S.A. O escoamento da produção se dará pelos portos de Itajaí/SC ou de Paranaguá/PR. Em Chapecó/SC, a ferrovia se conectará com a FNS e permitirá também sua integração com o porto de Rio Grande/RS.

O projeto encontra-se atualmente na fase de desenvolvimento do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental – EVTEA, que está analisando opções de traçados para o Corredor Ferroviário de Santa Catarina.

O EVTEA, a Aerofotogrametria e o Projeto Básico possuem investimento previsto no PAC de R$ 68,7 milhões.

Perguntas e Respostas sobre este trecho

Qual a situação do projeto de implantação do Corredor Ferroviário de Santa Catarina?

O projeto encontra-se atualmente na fase de desenvolvimento do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental – EVTEA, que está analisando opções de traçados para o Corredor Ferroviário de Santa Catarina, ligando Dionísio Cerqueira, no oeste catarinense, à região de Itajaí, no litoral. Os próximos passos serão a realização do levantamento aerofotogramétrico do traçado escolhido e a elaboração do respectivo projeto básico/executivo.

Investimento previsto total?

Nesta fase de estudos, os investimentos estimados encontram-se na faixa de R$ 14,6 a R$ 16,1 bilhões de reais, dependendo do traçado. Estes valores serão refinados após a conclusão do projeto básico/executivo.

Quanto já foi investido?

No desenvolvimento do EVTEA foram dispendidos, até o momento, R$ 1.397.094,95.

Tempo estimado para execução da obra?

Nesta fase de estudos, o tempo de execução da obra está sendo estimado em 5 anos. Esta informação será refinada após a conclusão do projeto básico/executivo.

Objetivo

  • Reduzir o valor do frete e agilizar o transporte de cargas;
  • Interligar as ferrovias;
  • Proporcionar alternativa para o direcionamento de cargas para os portos de Itajaí/SC, Paranaguá/PR ou Rio Grande/RS; e
  • Melhorar as condições de acesso aos mercados nacional e internacional, contribuindo para o aumento da produção agroindustrial da região.

Benefícios

  • Incrementar a economia do estado e cidades ao longo do eixo da ferrovia;
  • Reduzir os acidentes nas rodovias e os custos de manutenção da infraestrutura rodoviária;
  • Melhorar a qualidade de vida da população;
  • Aumentar a renda interna da região, com a redução da pobreza;
  • Oferecer novas frentes de trabalho.